sábado, 20 de julho de 2013

Presos por aramis

Sporting 2 Benfica 1

Vou fazer uma análise com vincado teor jornalístico.
Jogo típico de pré-época.

Ok, agora vou continuar à minha maneira.
O Sporting B venceu com naturalidade um misto de solteiros e casados do Benfica.
O jogo começou com alguma superioridade leonina, que fazia augurar um resultado positivo, mas a habitual vaca lampiónica, na primeira vez que chega à área leonina, fez temer o pior.
A partir desse momento, o misto adversário pareceu satisfeito com o resultado.
A grande diferença que se pôde vislumbrar, para lá da qualidade de alguns jogadores leoninos, foi a raça e querer dos jogadores do Sporting, a contrastar com a "arrogância" adversária.
Vimos muito disto na época passada, mas com a particularidade de serem os jogadores do Sporting a passear a sua sobranceria, com os resultados conhecidos.

Apesar de não ser elegante apontar jogadores pela negativa ou positiva, queria destacar a anormal vontade de Jeffren em mostrar serviço, mesmo que nem sempre de modo bem sucedido.
Contudo, a aparente saída por lesão pode indiciar que o óleo de argan com que se anda a esfregar pode estar fora de prazo.

Quem também pareceu estar num adiantado estado de preparação foi a equipa de aarbitragem.
Um fora-de-jogo mal tirado pode ser normal, mas perdoar a expulsão de Roderick por mais de uma vez já estava a dar muito nas vistas.
Quem acabou por escrever direito por linhas tortas foi o nosso ex-quase-reforço Sílvio, que se auto-expulsou após entrada violenta sobre...Viola.
Se a entrada tivesse sido cometida a Jeffren, o fisioterapeuta leonino teria sérias dificuldade em voltar a colocar as peças no sítio certo.

Os golos da reviravolta leonina resultam de lances de bola parada, um dos nossos calcanhares de aquiles dos últimos anos, o que torna a vitória ainda mais sui generis.
Da equipa adversária, composta na sua quase totalidade por atletas que, de algum modo, contribuíram para o quase-sucesso de uma equipa que quase-venceu tudo,  acabou por sobressair o único que deveria querer mostrar alguma coisa, o que vem realçar a evidência dos perigos de jogadores acomodados.

Harramiz pôs a nú que a equipa adversária estava presa por...aramis.

p.s. Apesar de eu ter dito, na crónica que antecedeu o jogo, que independentemente do resultado devia ser dada a verdadeira dimensão a este dérbi, que foi o que fiz nas linhas que acabaram de ler, creio ser também de destacar as palavras de dois dos intervenientes
João Mário: "Foi um bom jogo, típico de pré-época".
Roderick: "Foi um bom treino."

Compreendo, Roderick. Devem ser instruções vindas de cima.