sábado, 20 de julho de 2013

Ensinar a missa ao Papa.

Admito que gosto e quero tanto de bom a Benfica e Porto como os adeptos destes clubes ao Sporting.
Talvez até um pouco mais.
O recente caso Bruma e a hipotética possibilidade de rumar a um dos rivais pode exponenciar este sentimento.
Eu sei que com o mal dos outros podemos nós bem mas, tendo em conta tudo o que tem sido dito e escrito relativamente ao guineense que quer ver o Sporting pelas costas, não deixo de esboçar um sorriso quando leio algo do pouco que se tem escrito relativamente aos casos análogos dos rivais.
É que, tal como Bruma, também Atsu está de costas viradas para o Porto, e Oblak está a marimbar-se para o Benfica.
No entanto, caso que se preze tem que ter o Sporting como protagonista.
Ontem passei os olhos pelo caso Atsu e é inevitável encontrar paralelismo com o nosso. 
Um jogador africano, um representante africano, ameaças, chantagem, dinheiro em barda, ingratidão...ambição.
Dizia ontem Tony Appiah: 
"Ou o F.C. Porto o vende até 31 de agosto e ganha algum dinheiro ou o Christian Atsu sai no final da época como um jogador livre, pronto a fazer um grande Mundial".
"O Liverpool dava quatro milhões. O Porto não quis. Agora vão esperar por janeiro e oferecem-lhe um pré-contrato. Nessa altura o F.C. Porto já nada recebe".
"Prometo que no próximo ano o Christian estará num clube tão bom ou melhor do que o Porto. Sabe quem está muito atento a tudo isto? Benfica e Sporting, claro. Conhecem-no e sabem que podem ficar com ele sem qualquer pagamento"..
"O meu tio é o selecionador do Gana e já me garantiu que o Christian Atsu vai continuar a ser convocado. E vai chegar motivadíssimo ao Mundial. Depois disso, todos os sonhos dele serão reais e o F.C. Porto perceberá o erro cometido.

Eu sei que o empresário está a usar os clubes de Lisboa para provocar um volte-face nas intenções do Porto, e imagino que o Sporting, em particular, não aparecerá como alternativa ao futuro do jogador ganês, mas não deixo de me congratular que, de vez em quando, um grão de areia emperre aquela máquina que todos dizem perfeita.
Para quem considera que Bruno de Carvalho não fez tudo o que está ao alcance para que o dossier Bruma termine da melhor forma para os interesses do clube, o dossier Atsu (ou Oblak) podem demonstrar que até os mais intransigentes e reconhecidos negociantes podem, por vezes, ficarem enredados na própria teia.
Parece que ainda há quem esteja disposto a ensinar a missa ao Papa.