sábado, 19 de maio de 2012

Balanço


Terminou, finalmente, o campeonato de andebol.
Um ano mais o Porto passeou a sua superioridade, um ano mais o Sporting carece de um projecto que perspective algo de positivo para os próximos anos.
O jogo de hoje foi o espelho de uma época, igual a tantas outras.
A derrota do Dragão Caixa por 10 golos (36-26) prova que tem que ser repensado tudo o que vem sendo feito nesta secção.
Quatro vitórias em dez jogos na fase final, ao passo que o Porto não perdeu nenhum nesta fase são números contra os quais é escusado arranjar justificações.
O efeito Pokrajac passou há muito, e a gritante ineficácia e soluções ofensivas (penso que) indiciam que algo terá de ser feito, de modo a que o nosso clube não continue nesta cruzada pelo deserto.
O 3º lugar final, graças à derrota do Benfica no campo do Madeira SAD até acaba por ser um mal menor, dado que os portistas estão num patamar muito superior e até o Madeira demonstra uma coesão e qualidade que não conseguimos igualar.
A vitória na Taça de Portugal vem colorir uma época que acaba por ser frustrante, e que só poderia ser encarada como positiva se, eventualmente, tivéssemos vencido de novo a Taça Challenge.
Olho para o Madeira e para o seu treinador com alguma inveja, pois se o clube já possuiu matéria para se bater com os melhores, neste momento tem meses de salários em atraso, um plantel só com portugueses, e acaba pelo 3º ano consecutivo como vice-campeão e a única equipa que retirou pontos ao Porto, nos dois jogos da fase final.
Paulo Fidalgo, penso, seria um treinador à medida do Sporting, pois se é capaz de pôr uma equipa com estas limitações a lutar por objectivos superiores aos nossos, talvez fosse capaz de tirar algum sumo de atletas que actualmente arrastam-se com a nossa camisola, como se os números nas costas pesassem toneladas.
Já agora, a reincidência em contratar atletas estrangeiros que pouco ou nada trazem à equipa (Muresan, Frankis, Radojevic e Yailan) em comparação com a ausência deste fardo, por parte dos madeirenses, penso que deve fazer repensar o que (de mal) se vai fazendo na secção e numa poupança a um orçamento com limitações.
Este rápido balanço após o jogo de hoje, não é a consequência deste jogo mas somente a constatação de factos e números que se prolongam no tempo, e que só foram contrariados nos referidos triunfos da Taça de Portugal e Taça Challenge.