terça-feira, 29 de maio de 2012

De poeta e louco, todos temos um pouco


Marat Izmailov foi notícia na semana passada porque, pelos vistos, não foi só neste manicómio colectivo chamado Portugal que foram internados todos os jornalistas.
Nessa crónica de final de semana pudemos saber que o nosso jogador foi vítima de críticas contundentes do jornalista Vasily Utkin e que o advogado de defesa do nosso jogador foi...Advocaat, o holandês que treina a selecção russa.
Vasily foi acusado de já ter insultado Vladimir Putin, afamado ponta de lança do Kremlin FC, mas nesse caso até pode ter tido razão pelo que, em questões políticas, pode até ser um visionário. 
As publicações portuguesas que deram ênfase à polémica traduziram as declarações de Utkin de modo bastante suave,  e deste modo ficámos a saber que Izmailov "tem problemas psicológicos".
O que ele disse, mesmo, é que Izma é louco!
Convém é saber que tipo de loucura é a de Izmailov, porque há diagnósticos para todos os gostos.
Há por exemplo a loucura pelo Sporting (que me atormenta pessoalmente) que,  não sendo muito saudável, dado que gera ataques de ansiedade em múltiplos fins-de-semana por ano, tem outras características, como a capacidade de ser sexualmente transmissível.
Há também a doença bipolar, antes apelidada de maníaco-depressiva, que é um outro tipo de transtorno que ataca quase todos os sportinguistas. Os sintomas distinguem-se por euforia contagiante, durante largos períodos da época, seguido de períodos de letargia intensa.
Enfim, são inúmeras as possibilidades que podem ser apontadas a Izma, mas convém recordar que também existem agentes ligados ao futebol que ostentam a sua loucura, com orgulho, como por exemplo "El Loco" Bielsa.
Já Balotelli não tem os parafusos bem apertados e não é por isso que o gato vai às filhozes.
Entretanto, diluídos os ecos dessa notícia, parece que Izma encarregou-se de calar as críticas, fazendo um jogo amigável contra o Uruguai que deixou rendidos companheiros, técnicos e crítica.
Marat tem também, entre outros, o grande problema que é a paranóia de jogar quase sempre bem, ao ponto de nos deixar doidos cada vez que não está em condições de dar o seu contributo à nossa equipa.
As suas exibições são autênticos poemas!
A minha única preocupação, e que me deixa com ansiedade, pânico e depressão, prende-se com a possibilidade de voltar a lesionar-se neste intenso campeonato da Europa. 
É que, tal como os visionários que acharam que vender João Pereira antes do Euro2012 era a melhor estratégia, dado que se podia lesionar no decurso do campeonato, também o grande pilar da nossa equipa está sujeito a essas contingências, ou não tivesse ele um joelho com um parafuso a menos.
Utkin, que fisicamente até tem parecenças com um outro jornalista, conhecido por celebrar golos do Benfica em directo, vai certamente continuar a tecer as considerações que achar por bem, porque os jornalistas têm quase sempre a última palavra, e se as coisas não correrem bem à selecção russa (espero bem que assim seja) lá virá ele e a sua cartilha de certezas.