terça-feira, 26 de junho de 2012

Anjos e demónios

A menos que apareça alguma improvável notícia a sugerir que o Sporting possa ter algum interesse em Anderson, do Man. United, quer-me parecer que a semana vai ser dominada pelos meandros da selecção e do jogo decisivo que amanhã disputa no Euro2012.
Para a generalidade dos portugueses, a notícia de que a nomeação do turco Cuneyt Çakir é uma armadilha para Portugal é encarada com enorme desespero e de injustiça antecipada.
Para a generalidade dos sportinguistas, a notícia de que a nomeação do turco Cuneyt Çakir é uma armadilha para Portugal é encarada com enorme indiferença, fruto de injustiça habituada.
Numa sociedade cada vez mais formatada para os compadrios e amiguismos, não estranha nada que o espanhol Angel Maria Villar, que de anjo não tem nada, líder do Comité de Arbitragem da UEFA e que se passeia pelos corredores do Comité Executivo da UEFA há 20 anos, também se auxilie dos seus conhecimentos e influência para fazer o povo espanhol mais feliz.
À parte do bom futebol praticado, todos sabem a inclinação que os campos ganham quando os espanhóis têm algum jogo internacional, seja ele de clubes ou selecções.
Podem cantar de galo com as suas vitórias, tenham elas os contornos que tiverem porque, lá como cá, o que fica para a história são os sucessos.
O Sporting foi recentemente vítima desse sistema, e quem acreditar que o Bilbao nos eliminou só porque alguém se lembrou de os apelidar de Mini-Barça deve ser algo ingénuo.
Na altura também se falou das ligações íntimas de Villar ao Athletic, mas muitos acharam que as teorias da conspiração eram fruto de uma imaginação muito prolífica. 
O tempo veio dar razão à desconfiança.
Também agora há todo o motivo para termos a pulga atrás da orelha, mas não servirá de nada protestar por antecipação ou após consumado o acto.
O que tiver que ser, terá muita força, a não ser que aconteça como numa célebre escuta do Apito Dourado, quando um árbitro se justificava a um conhecido dirigente, após um jogo em que a actuação do juiz foi insuficiente para inverter o resultado:

"Oiça lá, mas...mas aquilo não se podia fazer mais!!"
Entretanto, a Espanha já devia estar de férias, mas uma soberba actuação de um árbitro alemão prolongou a estadia de vuestros hermanos.
No entanto, ao olhar para os 20 anos de Villar na UEFA, estes parecem os primeiros passos de um bebé, se comparados com as quase 4 décadas de reinado de outros dirigentes. Claro está que associar largos períodos de poder com hipotéticos benefícios inerentes ao estatuto adquirido são meros jogos de adivinhas.
Por falar em longos reinados, lembrei-me agora...assim de repente, vá-se lá saber porquê, de Pinto da Costa. 
É curioso constatar que, enquanto nós gostamos de delapidar o nosso património, este gosta de exponenciar o dele.
Veio há dias dizer que Moutinho é a grande estrela da selecção, numa promoção que deverá querer ganhar ouvidos no estrangeiro. 
Não é que desdenhe uma venda do João Pequeno, até porque o Sporting tem muito a lucrar com isso, mas apesar de achar que o médio da selecção tem estado em bom nível, esta declaração destaca, uma vez mais, que o homem trabalha constantemente em prol do clube.
Basta dar uma vista de olhos pelo Ranking oficial do Europeu e verificar que João Pequeno ocupa um modesto 51º lugar, enquanto o tal lateral que se poderia lesionar no decurso da competição, ou passar vergonha quando defrontasse os velozes extremos holandeses, está numa singela 28ª posição.
Apesar desta constatação, não me importaria nada, para bem da nação, que fosse o jogador promovido pelo presidente a decidir o título a nosso favor.
 
Ranking  (após as meias-finais)
1    Cristiano Ronaldo, Portugal, 9.68
2    Pepe, Portugal, 9.61
3    Marchisio, Itália, 9.54
4    Xabi Alonso, Espanha, 9.48
5    Iniesta, Espanha, 9.43
6    Piqué, Espanha, 9.38
7    David Silva, Espanha, 9.33
8    Fábio Coentrão, Portugal, 9.29
9    Sergio Ramos, Espanha, 9.25
10  Kadlec, Rep. Checa, 9.21

23    Bruno Alves, Portugal, 8.78
28    João Pereira, Portugal, 8.64
32    Nani, Portugal, 8.54
40    Miguel Veloso, Portugal, 8.34
47    Raul Meireles, Portugal, 8.18
51    João Moutinho, Portugal, 8.10
123  Rui Patrício, Portugal, 6.74
148  Hélder Postiga, Portugal, 6.31
202  Nélson Oliveira, Portugal, 5.33
219  Varela, Portugal, 4.99
228  Custódio, Portugal, 4.79
234  Rolando, Portugal, 4.66
258  Hugo Almeida, Portugal, 4.01