domingo, 10 de junho de 2012

Superstições à parte


Terminou neste instante o segundo jogo do play-off do campeonato nacional de futsal.
Para contrariar as mais pessimistas expectativas, das quais a minha era a que provavelmente mais sobressaía, o Sporting foi vencer ao pavilhão da Luz por 1-2 e, deste modo, relançar a candidatura ao título.
Se preferirem, relança o sonho de alcançar o tri-campeonato.
As diferenças para o jogo de ontem foram notórias, e o equilíbrio, que é a nota dominante nos jogos entre os eternos rivais, regressou.
Claro está que, quanto somos mais comedidos nas ofertas ao adversário, as hipóteses de sairmos derrotados caem abruptamente. 
Do tempo de jogo que fui capaz de ver, realço que fomos muito superiores na gestão da posse de bola e nas oportunidades de golo criadas, mas aí, uma vez mais, a infelicidade e/ou a ausência de jogadores com elevada eficácia concretizadora fez pairar por demasiado tempo a incerteza no marcador.
Desta vez não houve nenhum impedimento físico ou social que me tivesse afastado dos minutos finais do jogo mas, simplesmente, a superstição e o descrédito apoderaram-se de mim.
Assisti com calma e aparente tranquilidade o domínio durante toda a primeira parte, e o golo  no reinício da segunda metade fez-me pensar que o mais difícil estava feito.
No entanto, a grande penalidade e o golo do empate fizeram-me recuar na minha atitude corajosa de encarar este jogo como se se tratasse de um filme do Jackie Chan, e optei pela última arma que tinha ao meu dispor.
Desliguei a Tv e segui os últimos momentos por um site que nunca me decepcionou. 
Não me recordo de um jogo de futsal que tenhamos perdido quando sigo o resultado por lá, e acabou por ser com naturalidade que apareceu escarrapachado, com as curvas lindas da sua forma, como se de um cisne se tratasse, aquele 2 majestoso.
Ontem tinha referido que, caso o Sporting perdesse hoje, o título estaria irremediavelmente perdido, mesmo que ganhássemos algum dos dois jogos previstos para nossa casa.
Esta primeira vitória da época sobre os nossos rivais, depois de dois empates e duas derrotas, elevam aos píncaros os índices de confiança e fazem acreditar no impossível, mesmo que para o próximo jogo não possamos contar com os castigados Alex e João Matos. Espero que Marcelinho já possa maquilhar estas baixas significativas, e que o ambiente do pavilhão faça parecer este, que recebeu a nossa equipa, um verdadeiro jardim-de-infância.


Entretanto, o Sporting bateu em Braga o ABC por 27-29 e sagrou-se campeão nacional de juvenis, em Andebol.
Parabéns.