quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Dar-lhes com os PES


Hoje deparei-me com uma notícia inócua, mas curiosa.
Diz uma publicação que o Sporting não é uma das equipas licenciadas do (jogo) PES 2014.
Apesar da empresa responsável ter divulgado que pretende incluir a equipa leonina numa actualização, a verdade é que não só ficámos fora das competições europeias, como também das competições internacionais virtuais.
A decisão decorre de uma decisão dos responsáveis que, na época anterior, tinham decidido que as licenças visavam os quatro primeiros classificados da Liga Zon, ou seja, FC Porto, SL Benfica, Sporting Braga e Paços de Ferreira. 
Se Jorge Jejuns, enquanto treinador do Braga, fez a maior campanha publicitária que há memória, dizendo que “…ganhar ao Benfica só se for na Playstation” (após ter sentido na pele e no campo a impotência de defrontar com as mesmas armas o seu actual clube), a verdade é que o novo lema poderá ser:
“Ganhar ao Sporting, nem na Playstation”.
A realidade é que, apesar de poder engraçar com um ou outro jogo de consola, estou a marimbar-me para este…e seria engraçado que mais algumas centenas de sportinguistas lhes dessem com os PES.
Os milhões de adeptos do Paços e do Braga iriam, por certo, compensar a debandada de adeptos do Sporting.
Apesar de este ser, como disse, um tema absolutamente irrelevante comparativamente a algumas preocupações que o passado recente nos deixou, a verdade é que não acredito que se, por mera suposição, outras equipas de relevo ficassem arredados dos primeiros lugares, esta medida fosse tomada.
Além disso, o que é o PES comparado com um bom matraquilho.
Esse, fiel à tradição, mantém o Sporting reluzente e bem oleado. Além disso, cativa desde o mais pequeno até ao mais idoso, por norma pouco dado a modernices.
Se há um célebre provérbio que diz, “enquanto houver língua e dedo, não há mulher que meta medo” eu diria que “ enquanto houver  matraquilho, não há PES que perca o brilho”.