segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Orelheiro

Algumas particularidades do Relatório e Contas que foi tornado público nos últimos dias não deixam de nos surpreender.
Surge hoje uma originalidade que, afinal, é mais comum do que aparenta ser.
Dizem as publicações desportivas que o pai de Labyad é olheiro do Sporting, e  tem para receber 2 milhões de euros.
Ora, parece que a função atribuída foi tão só uma forma de justificar os montantes a pagar pela transferência do médio marroquino a custo zero...mas com alguns números à sua esquerda.
Dois milhões, cento e catorze mil euros (2,114 M€) é um custo zero um pouco elevado, tendo também em consideração a qualidade até agora demonstrada, mas ainda estou com esperança que o valor possa ser amortizado ou rentabilizado.
Fiquei a saber, através do mesmo jornal, que a estratégia utilizada para justificar o valor desembolsado não é, afinal, exclusiva do caso Labyad nem do Sporting.
Ora bolas, e eu a julgar que, ao menos, a direcção presidida por Godinho Lopes e com a empresa visionária Freitas & Duque Associados (F&DA) como parceira, adoptassem medidas inovadoras em prol da...inovação.
Em último caso, podiam ter contratualizado com o pai de Labyad a função de orelheiro.
Seria um funcionário que, em lugar de ver potenciais jogadores, ouvia-os. 
O cargo ainda não existe mas, por certo, seria passível de também constar no Relatório e Contas.

Por outro lado, ficámos a saber que o ex-jogador Manuel Fernandes auferia 20 mil euros mensais, até à entrada desta nova direcção.
Propôs 10 mil, mas não foi aceite.
A contraproposta foi de 1.500 euros, que foram rejeitados pelo ex-capitão e eterno ídolo leonino.
Quer-me parecer que, tendo em conta os 5 mil euros que o presidente irá auferir, o valor proposto a Manuel Fernandes era proporcional à sua posição na hierarquia.
Como talvez fossem os 20 mil, na hierarquia anterior...se comparados com alguns prémios de administradores ou da directora de comunicação, entre outros que receberam principescamente por pouco ou nada fazer.
Seja como for, é mais uma vez com agrado que pressinto que a casa está a ser remodelada, mesmo que se tenham que prescindir de móveis com alto valor sentimental.
É que o caruncho pode carcomer o resto da mobília.

p.s. O último parágrafo não deve ser lido pensando em Manuel Fernandes.