quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Espinha bífida

Ontem, em crónica que achei oportuna, disse:

"Poucas horas depois de sabermos que Manuel Fernandes estava muito limitado nas suas decisões, ficámos a saber que Luís Duque também estava condicionado e não tinha autonomia.
Daqui a pouco virá Freitas dizer que estava de mãos atadas.
Passados uns minutos, Godinho Lopes deverá surgir das trevas, alegando que era uma simples marioneta.
Restará aparecerem os administradores do BES virem dizer que o Sporting, um pouco à imagem dos Lusitanos no tempo do Império Romano, não se governa nem se deixa governar.
Se assim for, fica a certeza de que o Sporting era mesmo um barco à deriva.
Ou uma jangada de pedra."

Pois bem, não me enganei por muito.
Godinho deu um ar de sua graça...surgido das trevas.
Nem me vou dar ao trabalho de comentar. Fi-lo durante parte do seu mandato, depois de ter esperado, de forma paciente, que os meus sentidos me estivessem a enganar.
Agora já só falta o Freitas vir dar um lamiré. A malta do BES fica para outra ocasião.  

Mudando de assunto, ontem jogou a selecção de sub21.
A vitória de 6-1 sobre a Polónia (líder do grupo 7 na fase de apuramento para o Campeonato da Europa)não deixa de ser concludente, mesmo num amigável.
Depois de vários anos a coleccionar jogos e competições decepcionantes, esta nova fornada de jogadores parece querer renovar a esperança numa selecção principal sustentável.
Os últimos três jogos redundaram em 16 golos marcados, algo deveras significativo, dada a nossa tendência histórica em fazer das redes adversárias uma baliza de hóquei em patins.
Uma vez mais, apesar da democraticidade da convocatória, o Sporting continua a ser o clube mais representado, sendo também notório que o único atleta do Porto foi formado...na Academia.
No referido embate com os polacos, quem esteve do outro lado da barricada foi Juskowiak, ex-avançado leonino na década de 90.
Disse estar atento à actualidade leonina e demonstrou esperança que o Sporting se possa intrometer na luta pelo título.
Aliás, foi até um poquinho mais longe, ao afirmar:
"Espero que o Sporting ganhe o campeonato. Seria especial para mim."
Além disso, como bom sportinguista, não pôde deixar de mandar uma bicada no eterno rival.
"Quando vejo o Benfica com 6 portugueses no plantel, acho que é um bocadinho triste."

Claro que compreendo que esta crítica vise atingir o orgulho benfiquista e o clube que há não muito tempo disse que o Benfica iria ter a espinha dorsal da selecção nacional.
Esqueceram-se foi de dizer de que país seria.
Neste momento parece tratar-se de espinha.
Só faltou a Juskowiak apontar agulhas um pouco mais para Norte.
É que o Porto tem...(cof cof) 4 jogadores portugueses no plantel.
Dois deles, made in Sporting.
Claro está que aos seus adeptos pouco interessa em que língua falam, quando ouvem o discurso da vitória.
Podiam até grunhir ou gesticular.
Não podem é depois armar-se em salvadores do futebol nacional, como ainda recentemente o fez Júlio Magalhães e acerca do qual fiz um pequeno apontamento.