quarta-feira, 25 de julho de 2012

0-0, 0-0...mas lá troxeram o caneco


O Sporting venceu o 1º troféu Pepe Super Cup mas continua sem deslumbrar.
Mais uma vez perante equipas do 2º escalão, a equipa leonina faz a sua obrigação, que é ter a bola e tentar vencer, mas os problemas continuam na hora do remate...do último ou penúltimo passe.
Não tive oportunidade de seguir o 1º jogo, contra o Atlético, mas as incidências do jogo que estavam a ser publicadas apontavam também para uma equipa dominadora mas com raras ocasiões de golo.
Empate a zero e vitória nos penaltis (5-4) foi o saldo final.
No jogo contra o Belenenses, que foi possível seguir através da emissão online da Bola Tv (lá vislumbrei algo de positivo no jornal de símbolo vermelho), a equipa azul cedo deu a entender (muito cedo, aliás) que estava ali para defender o zero na sua baliza, e esta estratégia será certamente usual em muitos dos adversários com que o Sporting passa por muitas dificuldades durante a larga época.
Mesmo que a defesa não tenha sido posta à prova, e Boeck só tenha tocado na bola na sequência de atrasos dos seus colegas, não desgostei do "à vontade " de Boularhouz e Rojo na circulação de bola e na resolução das poucas investidas adversárias por terrenos mais avançados.
Cedric tem quase o mesmo ímpeto ofensivo de João Pereira e Prajnic tem um toque de bola que não engana, apesar de achar castrador colocá-lo a lateral esquerdo.
O meio campo cumpriu, sem destoar, mas este sector intermediário que é preponderante na criação de lances de perigo, bem como no equilíbrio defensivo, está a cumprir mais na segunda vertente do jogo.
Ganhou a quase totalidade das bolas divididas, gerou uma superioridade gritante na posse de bola mas, à posteriori, não conseguem transformar esta percentagem em ocasiões flagrantes de golo.
No jogo contra o Belenenses ainda foi possível contabilizar 3 ou 4 mas isso não parece ser suficiente para vencer jogos. Claro está que os jogos que tivemos oportunidade de ver não são comparáveis, e depois do fraquíssimo jogo (e derrota) contra o Charlton, tivemos uma vitória clara mas sem deslumbrar contra o Sheffiled e agora mais dois empates, mesmo que com o tempo de jogo reduzido para metade. Em três dos quatro jogos, terminámos a zero.
Também (me) continua a saltar à evidência que Capel e Carrillo têm tanto de capacidade de drible como de complicar o jogo ofensivo. É uma pena que não ponham essas capacidades ao serviço da equipa somente nas imediações da área, e que emperrem a circulação de bola que pode provocar perigosas jogadas de ataque.
Numa época onde o futebol espanhol dá cartas, onde o tiki-taka é rei e senhor, onde conseguimos ouvir os técnicos das selecções jovens...até aos dos mais velhos campeões do mundo gritar para com os seus pupilos..."TOCA, TOCA, TOCA!!!",  que em português quer dizer  "toca, toca, toca..." continuamos a ver alguns atletas com condições excepcionais tentar sobressair da maneira mais complicada. Queria muito que fossem corrigidas ou aprimoradas as mecanizações que irão fazer do Sporting uma equipa mais perigosa e eficaz, mas tenho dúvidas que alguns se afastem de uma característica que está incrustada no seu ADN.
Já sei que temos algum tempo de atraso na preparação, comparativamente ao rival que nos últimos anos é o ponto de referência e o grande candidato às competições nacionais mas, convém reparar no seu contínuo hábito vencedor, seja no primeiro jogo da época... com poucas ou muitas cargas físicas, seja um adversário de maior ou menor valia.
Não temos motivos para desmotivar, para desacreditar, mas é imperioso que a equipa ganhe...sempre. 
É que não pode ser de outro modo, quando se leva um leão ao peito.