sábado, 14 de julho de 2012

A feijões


O Sporting venceu o At. Cacém no 1º teste da época por 11-0.
Qual o valor deste resultado?
Sensivelmente o mesmo que uma vitória perante o Marselha ou o Evian.
Dirão os mais cépticos ou algum adepto rival que o valor das equipas é incomparável mas o que está em causa é, tão só, a preparação da época que se avizinha.
De que nos serviu o ano passado termos um começo prometedor, em que a vitória e exibição perante a Juventus (que se sagraria campeão italiano) foi o seu corolário e deixou os adeptos com água na boca?
Absolutamente nada, a não ser para aumentar ou diminuir as expectativas que se atropelam a cada início de época.
Claro está que posso e devo comparar este início, não com o valor dos adversários dos rivais, mas sim com o que tem sido norma no arranque da nossa equipa.
Se exceptuarmos o jogo de há 2 anos atrás com o Sarilhense, onde vencemos por 10-0 (mas nem por isso marcou essa época com algo de positivo) os primeiros pontapés na bola de cada época têm sido um morno despertar da hibernação a que jogadores e adeptos estão obrigados.
Se há uns largos anos atrás estas peladinhas significavam infligirem uma pesada derrota ao infeliz adversário, estes tempos mais recentes trouxeram um anormal equilíbrio entre o Sporting, candidato ao título ou a algo semelhante, e uma qualquer equipa amadora que faz dos distritais a sua praia.
Este mesmo At. Cacém já nos serviu recentemente de sparring por duas vezes, e em ambas saiu com uma saborosa derrota por 3-0.
O ano passado foi o Alta de Lisboa que serviu para os nossos jogadores tirarem as teias de aranha das chuteiras, mas mesmo tendo defrontado uma equipa que se iria classificar em último lugar no distrital de Lisboa, o resultado também não foi muito diferente, e o 3-0 da moda vingou outra vez.
Anos antes, o Sintrense saiu-se melhor, perdendo apenas por 2-1 perante os papões e eternos candidatos a tudo e mais alguma coisa.
O engraçado destes jogos é que, por vezes, a comunicação social desvaloriza o resultado (como deve ser feito ) mas justificando com o facto da equipa do Sporting estar em início de época, e com elevadas cargas de treino. Claro que questiono em privado, aos meus botões, quando é que a equipa amadora começou a sua preparação e em que moldes, para poder ombrear com os nossos exaustos rapazes.
Resumindo, apesar deste resultado ter um valor insignificante, tão insignificante quanto as vitórias estrondosas de adversários perante colossos europeus, o certo é que tem muito mais lógica o Sporting preparar os seus jogos a feijões, contra equipas alimentadas a feijões (com todo o respeito que me merecem) com resultados que evidenciem toda a diferença que existe entre elas.