sexta-feira, 27 de julho de 2012

Hola Viola


Depois de ter sido confirmada a saída e do adiós a Matias Fernandez, e enquanto alguns ainda se recompõem da desilusão, a maioria vira já o olhar para o reforço da equipa, que deverá estar para breve.
Se tem sido regra que alguns reforços vindos da Europa tenham apanhado todos de surpresa (Wolfswinkel, Schaars ou Prajnic), já quando estes vêm da América do Sul parece não haver modo de conseguir manter o segredo e, deste modo, acautelar o negócio ou até prevenir ruído desnecessário se abortar tal tentativa.
Apesar de não gostar de comentar hipotéticos negócios, e preferir fazê-lo quando o jogador é um facto consumado, parece consensual que o avançado Viola deverá ser o alvo para o reforço do ataque do Sporting.
Logo à partida devo dizer que desconheço em absoluto o valor do jogador em causa, e que talvez até tenha dificuldade em distinguir a fotografia do atleta, se estiver acompanhada pela de Balotelli e Puyol, mas há várias considerações a tecer, mesmo com esta lacuna em termos de cultura futebolística.
Como é facilmente comprovável, e foi por diversas vezes abordado nestas páginas, o défice ofensivo do Sporting é gritante. O problema não é recente, e os números que já aqui apresentámos e são do conhecimento público são o espelho da dificuldade hereditária em fazer golos.
Somos um eterno candidato ao título que, salvo a anormal época de Jardel e a de Peseiro (e Liedson), ficamos sempre a uma distância enorme da equipa mais concretizadora. Não é possível ter qualquer ambição a nível de títulos quando andamos há largos anos a marcar quarenta e poucos golos no campeonato, e ficamos a 20 ou mais golos dos rivais. Há 2 anos, aliás, ficámos a quase 40 golos do campeão, e deste modo não há complot que justifique os insucessos.
Pois bem, a fazer fé nas notícias vindas da Argentina, preparamo-nos para tentar corrigir esta situação, e arranjar alternativa a Wolfswinkel num jogador que marcou 1 golo há duas épocas atrás e elevou esta marca para 5, na mais recente (juntando Apertura e Clausura).
As comparações são evitáveis mas por vezes ganham vida própria e teimam em saltar para as linhas que escrevemos.
O último reforço do actual campeão, equipa que marcou mais 22 golos que o Sporting na última época, apesar de não ser nenhum sobredotado marcou 19 golos nesta última época no México, números bem mais simpáticos, convenhamos.
Quanto a Viola e aos seus números, claro está que me podem dizer que Radamel Falcao era um goleador banal quando chegou ao Porto, com 15 golos em 36 jogos na Argentina mas, ser ponta-de-lança no Porto ganha outros contornos. Aliás, anormal a meu ver foi o colombiano ter mantido em Espanha  o nível exibido cá pelo burgo, ao contrário do que eu prognosticara.
Mais estranho será o jogador que poderá vir a vestir de verde dizer que até prefere jogar a extremo, e aí pode-se questionar se esta provável contratação tem objectivos a médio prazo, para a sucessão de algum dos que actualmente ainda percorrem as linhas, de verde e branco vestidos.
Ainda relativamente à capacidade concretizadora, é certo e sabido que esta não deve depender só do homem que por norma leva o 9. 
Messi e Ronaldo têm sido disso prova, e enquanto CR7 (46 golos) marcou mais que os seus colegas Benzema e Higuain juntos, já Messi (50) bateu todos os recordes deste mundo e do outro.
Ainda em relação ao craque argentino e ao Barça, recordar só que após a derrota por 4-0 do Santos perante o colosso catalão na final do Mundial de Clubes, o treinador brasileiro dizia que se alguma equipa jogasse no Brasil no esquema 4-6-0 seria crucificado. Pois bem, eu acho que por cá seria fuzilado, dada a preponderância táctica e valor que se dá ao ponta-de-lança.
Caso se confirme o negócio, ao contrário do que muita gente pretendia (onde me posso incluir) o avançado a contratar não será certamente para " retirar" ou lutar pelo espaço de Wolfswinkel, mas para lutar por um lugar à sombra no concorrido banco leonino.