terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Homens com j pequeno


Os ecos do jogo com o Benfica ainda se fazem ouvir, a espaços, e ontem os adeptos do Sporting não enjeitaram a oportunidade de lançar mais umas farpas, para destinatários óbvios.
 Mesmo que o Sporting não esteja sempre munido de razão, e já tenha passado pelo clube gente com menos carácter, o certo é que somos representados desde há muito, por pessoas íntegras e que tentam defender o clube sem beliscar certos princípios. 
Até no recente caso com a comunicação social, fruto mais uma vez do desrespeito reiterado para com a nossa instituição, por parte da Sporttv, Record e MaisFutebol, só para referir os mais recentes, a posição do Sporting foi recta mas honesta, sem entrar em populismos, violência ou demagogia.
No campo dos comportamentos, temos também sido representados, ao nível dos treinadores, por pessoas que muitas vezes ultrapassam os interesses da instituição, exaltando o jogo ou o adversário, mesmo em derrotas, como foram os casos de Boloni, Peseiro, Carvalhal, P.Bento ou  Domingos.
O nosso actual treinador, depois de deitar água na fervura do derbi, numa flash interview onde não se agarrou a penalties e outras decisões controversas, voltou ontem a elogiar o adversário e ganhar pontos com  a sua conduta, que devia servir de exemplo.
Ao invés, outros há que reclamam para si os louros, em caso de vitória, e sacodem a água do capote ou apontam o dedo a este ou aquele, caso o jogo não decorra como delineado. 
Quando a educação ou a integridade não fazem parte dos princípios que regem a sua conduta, não há muito a fazer, mesmo que estejam sempre "em online" e saibam quando e como foram beneficiados.
Já no Porto a prepotência é imagem de marca, e cá estarei para analisar a postura de Domingos, se algum dia trocar de "camisola" e regresse ao clube do coração. 
Não acredito que vá mudar a sua postura mas, a acontecer, ficará provado que mais que a virtude de cada um, é o ADN do clube que se sobrepõe aos valores individuais, mesmo havendo excepções, para o bem e para o mal.
"A prosperidade revela os vícios - a adversidade, as virtudes."