sábado, 31 de dezembro de 2011

Respeitinho é muito bonito


Quando já nada parece afastar Xandão do Sporting, mesmo que a hipótese não agrade a todos os sportinguistas (porque os do São Paulo, esses... pulam de alegria) as normais notícias de encher chouriço tomam conta dos jornais da especialidade.
Vamos aderir à moda e dizer que hoje pudemos ficar a saber pelo pai do jogador , em declarações à TSF, que o filho é um menino bom, não por ser filho de advogado mas, porque o criou e o conhece bem. Acredito que os pais da esmagadora maioria dos jogadores de futebol, trolhas, taxistas e padeiros (só para mencionar alguns) dirão o mesmo, mesmo que não sejam advogados, mas que pelos vistos terá um peso importante na educação de um filho.
Mais curiosa ainda é a abordagem a outras questões de índole estético e religioso. "Filho meu não usa brinquinho, não tem tatuagem, inclusive ele é evangélico, entendeu?"
Sinceramente é-me indiferente a quantidade de tattoos, kalkitos,  decalques ou carimbos que cada um usa no corpo. Brincos, piercings, clips ou agrafos também não fazem de ninguém melhor ou pior jogador. Seria tarefa faraónica mencionar os grandes jogadores com algum tipo de marca, bem como tantos outros que não a têm e também nos sabem deleitar com um futebol de primeira água, mas a diferença pode estar em ter, ou não, pai advogado.
Mais pernicioso para a prática de futebol podem ser os penteados exuberantes ou de difícil trato, como alguns casos recentes que tivemos no plantel. Uma tatuagem não influencia na marcação de um penalti, um livre perigoso ou para fazer um passe de 30 metros, mas um determinado penteado pode desconcentrar na execução de qualquer um destes gestos técnicos, para lá de estar demasiado sujeito às inclemências meteorológicas.
Por fim, espero que a opção evangélica traga para os nossos lados mais um apoio, pois precisaremos que todas as forças nos apoiem. Já tive fé em jogadores de alguns credos, desde os muçulmanos Saber e Naybet, aos maioritários cristãos. Xandão professa a sua fé, e espero que trilhe os mesmos caminhos que Ele indicou a Lúcio, outro proeminente futebolista evangélico.
Fica por saber se o pai de Lúcio é advogado.
 
Depois de encher chouriço, resta desejar a todos um Feliz 2012, essencialmente com saúde, para poderem percorrer este ano que todos apregoam como crítico, mas que desejo seja tão só de transição para novos e melhores anos, de preferência com grandes sucessos do Sporting.

SL